Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Notícias’ Category

Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa. João 15:20

NAS RUAS - Protesto contra o massacre de cristãos, no Egito. Perseguição também ocorre na Ásia

“Imagine um país onde a filiação religiosa deva constar no documento de identidade de todos os cidadãos, onde sua crença implique restrições para ocupar postos de trabalho, ter acesso à educação e se casar. No Egito, predominantemente islâmico, isso acontece e as principais vítimas da intolerância religiosa são os cristãos, que representam 10% da população. Na semana passada, o mundo testemunhou um derramamento de sangue no país. Vinte e cinco pessoas – a maioria fiéis coptas, como são chamados os cristãos que não seguem o Alcorão – morreram no domingo 9, no Cairo, em confronto com outros civis e o Exército. Tanques passavam por cima dos manifestantes sem dó. Carregando cruzes e imagens de Jesus, milhares de pessoas estavam nas ruas em um protesto inédito contra a opressão histórica patrocinada pelos muçulmanos. Os representantes do cristianismo se revoltaram depois de mais um incêndio sofrido por uma igreja copta. “A primavera no mundo árabe parece que acordou muita gente, inclusive os coptas”, diz o sacerdote católico Celso Pedro da Silva, professor emérito da Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, de São Paulo.

“Com o estado de insegurança que domina o Egito após a queda do ex-presidente Hosni Mubarak, em fevereiro, grupos muçulmanos tentam demarcar mais territórios em meio à indefinição do poder público. E os coptas, historicamente marginalizados pelo governo, estão levantando a voz. Há severas restrições – só para citar uma fonte de discriminação – para a construção e reformas de templos cristãos, patrulha que não ocorre entre os muçulmanos. Em solo egípcio há apenas duas mil igrejas perante as 93 mil mesquitas. Na quinta-feira 13, o papa Bento XVI manifestou-se no Vaticano: “Uno-me à dor das famílias das vítimas e de todo o povo egípcio, desgarrado pelas tentativas de sufocar a coexistência pacífica entre suas comunidades.” O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu proteção à minoria copta e afirmou estar profundamente preocupado com o Egito.

“A intolerância religiosa contra os cristãos não ocorre só no Egito. Um levantamento feito, em maio, pela Comissão sobre Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos mostra quanto a violência anticristã está disseminada mundo afora. Na China, segundo a comissão, pelo menos 40 bispos católicos estariam presos ou desaparecidos. Na Nigéria, cerca de 13 mil pessoas teriam morrido em conflitos violentos entre muçulmanos e cristãos desde 1999. Mais: na Arábia Saudita, lugares de cultos não muçulmanos são proibidos e livros escolares seguem pregando a intolerância a outras etnias. Irã e Iraque também são citados. No primeiro, mais de 250 cristãos teriam sido presos arbitrariamente desde meados de 2010. Já o país vizinho registra uma das maiores quedas no número de cristãos da sua história – em oito anos, esse grupo caiu pela metade e soma, hoje, 500 mil. “Os atos de violência têm como objetivo pressionar a população a abandonar suas terras”, explica Keith Roderick, secretário-geral da Coalizão para a Defesa dos Direitos Humanos.

“Infelizmente tem funcionado. O Oriente Médio, berço do cristianismo, era constituído, no início do século XX, por cerca de 20% de seguidores de Jesus Cristo. Estimam os especialistas que o povo cristão atualmente não represente nem 2% dos habitantes daquela região. O papa Bento XVI chama a investida dos muçulmanos de “conquista à base da espada”. No ano passado, o Sumo Pontífice manifestou-se a favor da libertação de uma paquistanesa cristã condenada à forca por blasfêmia, no Paquistão, país onde mais de 30 pessoas foram assassinadas com essa justificativa. Asia Bibi, então com 45 anos, teria dito ao ser insultada por mulheres muçulmanas: “O que Maomé fez por vocês? Jesus, pelo menos, sacrificou-se por mim.” Graças à pressão internacional, a pena não foi cumprida, mas Asia aguarda novo julgamento. Ela é a primeira mulher na história a receber uma pena de morte por conta de perseguição religiosa. Um título que nenhum país deveria se orgulhar.”

(IstoÉ)

Nota de Michelson Borges: A mesma liberdade religiosa que os muçulmanos pleiteiam nos países ocidentais deveriam promover em seus países de origem. A intolerância só intensifica o ódio e promove a violência. As Cruzadas católicas provaram isso e a atitude desses países islâmicos corrobora a barbaridade. Agindo à margem da verdadeira religião – que deve promover a paz e o amor entre as pessoas – esses “religiosos” apenas dão margem à argumentação neoateísta segundo a qual religião não presta. Esse tipo de religião, de fato, não presta.

Fonte: Criacionismo

Read Full Post »

Após uma extensa busca pelo paradeiro de Juma Naradin Kamil, os cristãos da região de Bakool, sudoeste da Somália, encontraram o corpo decapitado de Kamil.

Ele, que fora sequestrado, trazia no corpo marcas de uma execução feita pelo grupo terrorista muçulmano Al-Shabaab.

“É comum a Al-Shabaab decapitar aqueles que abraçam a fé cristã, ou mesmo meros simpatizantes dos ideais ocidentais,” disse um cristão local à agência de notícias Compass Direct News. “Nosso irmão Kamil aceitou a fé cristã há três anos e estava determinado em sua fé em Deus. Sentiremos muito a falta dele.”

O sequestro aconteceu em 21 de agosto, quando três homens da Al-Shabaab forçaram Kamil a entrar em um carro. Muitos cristãos locais acreditam que os extremistas estavam acompanhando a rotina de Kamil, a fim de executarem a tarefa.

A Al-Shabsab tem cerca de 7 mil membros. Eles procuram, através de ameaças e atos violentos, impor uma versão estrita da Sharia, lei islâmica, em todo território muçulmano. O principal objetivo do grupo é eliminar o cristianismo da Somália.

No início deste ano, dois extremistas muçulmanos assassinaram um membro de uma comunidade cristã subterrânea na Somália e também mataram uma mãe de quatro filhos, Asha Salat, por sua fé cristã.

Fonte: Missão Portas Abertas

Comentário: Uma notícia como essa parece até mentira. Como que nos dias de hoje ainda pode acontecer barbaridades como essa. O fato é que não importa o tempo ou o lugar em que se viva, o homem continua sendo o mesmo, e aqueles que possuem requinte para a maldade vão praticar a maldade.

Fica aqui também um alerta para nós que desfrutamos de relativa liberdade de culto. O que estamos fazendo? Pessoas a risco da própria vida tem coragem de abraçar a fé em Jesus e pregar sua palavra, viver seu evangelho. E nós? Continuamos brincando de cristãos? Nós temos um mundo para alertar. O que acontece em países como esse é apenas um vislumbre do que está para assombrar o mundo todo.

E não nos esqueçamos de orar por nossos irmãos que sofrem nestes países intolerantes.

Emerson Freire

 

Read Full Post »

Poucos dias depois que o Irã libertou dois norte-americanos acusados de espionagem no país, um tribunal iraniano confirmou a acusação de apostasia contra o pastor Yousef Nadarkhani e sentenciou à morte.

O tribunal da província de Gilan determinou que o pastor Nadarkhani devia negar sua fé em Jesus Cristo, pois ele vem de uma família de ascendência islâmica. O Supremo Tribunal do Irã disse anteriormente que não deveriam determinar se o pastor Yousef tinha sido muçulmano ou não em sua conversão.

No entanto, os juízes exigiram que ele se retratasse de sua fé em Cristo antes mesmo de terem provas contra ele. Os juízes afirmaram que, embora o julgamento vá contra as atuais leis iranianas e internacionais, eles precisam manter a decisão do Tribunal Supremo em Qom.

Quando pediram a ele para que se “arrependesse” diante dos juízes, Yousef disse: “Arrependimento significar voltar. Eu devo voltar para o quê? Para a blasfêmia que vivia antes de conhecer a Cristo?” Os juízes responderam: “você deve voltar para a religião dos seus antepassados, deve voltar ao Islã”. Yousef ouviu e respondeu: “Eu não posso fazer isso.”

Família

O pastor Yousef conseguiu ver seus filhos pela primeira vez desde março. Ele estava de bom humor e falava de sua enorme vontade de servir a Igreja depois que fosse libertado da prisão.

O pastor Yousef enfrentará duas “audiências’ adicionais hoje (27) e amanhã (28 de setembro) com o propósito principal de o fazerem negar sua fé cristã. Os advogados do pastor Yousef tentarão apelar para que revejam a sentença, mas se o tribunal agir segundo sua própria interpretação da Sharia (lei islâmica), Yousef pode ser executado amanhã.

Tecnicamente, não há mais direitos para recursos e sob a interpretação da lei da Sharia, o pastor Yousef tinha direito a três chances de se retratar. Amanhã será sua última chance de se retratar. Depois, ele poderá ser executado a qualquer momento.

Ore pelo pastor Yousef Nadarkhani, para que Deus o proteja e o livre da sentença de mortee possa ser liberto da prisão. Envolva mais pessoas para, juntos, intercedermos pelo nosso irmão.

Fonte: Missão Portas Abertas

Comentário: Irmãos adventistas, e também de qualquer outra denominação, vamos unir nossas forças em oração pela vida do jovem pastor Yousef. E não só pela vida dele mas também pela de muitos outros que sofrem por causa da intolerância religioso. E oremos também pelos intolerantes, para que Deus possa fazer brilhar a sua luz a fim de que esses possam abandonar suas trevas. E não nos esqueçamos de que neste mundo passaremos por aflições, mas devemos ter bom ânimo pois Cristo venceu o mundo.

“Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.

“Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.”
Mateus 5:11-12

Emerson Freire

Read Full Post »

A presidente do sínodo da Igreja Evangélica, Kathrin Göring-Eckardt, afirmou nesta sexta-feira de manhã (23/09) à emissora NDR, antes do seu encontro com o Papa Bento XVI, que decorreu ao final da manhã, que deseja ver católicos e protestantes a celebrar juntos os 500 anos da Reforma iniciada por Martinho Lutero, que se assinalam em 2017.

Papa e Nikolaus Schneider reunidos em Erfurt (Thomas Peter/Reuters)

Citada pela página de internet Religiondigital, Kathrin Göring-Eckardt acrescentou que não seriam de esperar, hoje, quaisquer acordos sobre os pontos centrais que dividem as duas igrejas. Um dos temas objecto de debate é a possibilidade de os católicos poderem comungar nas celebrações luteranas e os protestantes poderem fazer o mesmo na missa católica.

Essa prática, frequente na Alemanha apesar da interdição do Vaticano, é reivindicada por muitos crentes e comunidades, como forma de dar passos concretos na aproximação comum entre as diferentes igrejas cristãs.

Nesse sentido foi exactamente a declaração do presidente da Igreja Evangélica, Nikolaus Schneider, que pediu passos claros na reconciliação ecuménica. Em declarações à rádio pública alemã, Deutschlandfunk, afirmou Schneider, a propósito dos 500 anos da Reforma protestante: “Devemos encontrar-nos já ao mesmo nível.”

De acordo com a mesma fonte, Nikolaus Schneider acrescentou que, por muito que ambas as igrejas se aproximem, o Papa não poderá ser nunca, para os protestantes, a mais alta instância dogmática e jurídica. “Isso não seria aceitável.”

Já no encontro em Erfurt, no mosteiro onde Lutero viveu como monge católico, antes de romper com o papado, Nikolaus Schneider afirmou, perante o Papa, que Lutero “é a chave que une” a Igreja católica e a Igreja Evangélica (ou Luterana).

No seu discurso, Bento XVI rendeu homenagem ao iniciador do protestantismo, sublinhando a sua “paixão profunda” pela questão de Deus.

Declarando-se “emocionado” por estar naquele “lugar histórico”, o Papa alemão, 84 anos, afirmou: “O que não dava paz [a Lutero] era a questão de Deus, que era a paixão profunda da sua vida e o centro da sua vida e do seu caminho.” E acrescentou: “O pensamento de Lutero e a sua profunda espiritualidade estavam completamente centrados em Cristo” e a grande pergunta de “toda a sua investigação teológica e de toda a sua luta interior” foi “como ter um Deus misericordioso”.

Apesar de ter dito várias vezes, após ter sido eleito Papa, em Abril de 2005, que são necessários passos concretos no diálogo ecuménico, Ratzinger disse hoje que “o mais necessário para o ecumenismo” é que católicos e protestantes se ajudem mutuamente a acreditar e não percam “o que têm em comum”, nem cedam perante a “pressão da secularização”.

No seu discurso, o Papa considerou como “um erro dos tempos de afirmação confessional ter sublinhado sobretudo aquilo que separa” e não ter percebido “o que têm em comum” católicos e protestantes. E citou: “As grandes pautas da Sagrada Escritura e as profissões de fé do cristianismo antigo.”

O Papa considerou que, perante a “ausência de Deus” que se nota cada vez mais na sociedade, os cristãos correm o risco de “ceder à pressão da secularização” e “ser modernos adulterando a sua fé”. Mas esta tem que ser “pensada e vivida” de forma “nova”, para ser algo do presente, afirmou.

Fonte: Público

Comentário: Como já disse antes, estamos no limiar de grandes acontecimentos. Há quem diga que Ellen White não teve o verdadeiro dom de profecia. Alguns dizem que ela foi esperta, e outros que ela foi doente. Mas eu vejo outra coisa. O que eu vejo é o desenrrolar da história confirmando os textos escritos por essa mulher. Eu desafio qualquer um a encontrar um outro profeta que tenha descrito o futuro da forma com ela descreveu, e que tenha suas profecias se cumprido como tal. Não vai encontrar. O texto acima é uma pequena prova do que estou dizendo. Protestantes buscando a união como o papado, e até mesmo reinvidicando isso. Leiam os textos abaixo, escritos por Ellen White, e tirem suas próprias conclusões. E vale lembrar aqui que esses não são os únicos textos. Leiam os últimos capítulos de O Grande Conflito, vocês se encontrarão inseridos nos eventos descritos.

“Não conseguimos ver como a Igreja romana poderá desembaraçar-se da acusação de idolatria. E esta é a religião que os protestantes estão começando a encarar com tanto agrado e que finalmente se unirá com o protestantismo. Esta união não será, porém, efetuada por uma mudança no catolicismo, pois Roma não muda. Ela declara possuir infalibilidade. É o protestantismo que mudará. A adoção de idéias liberais, de sua parte, o conduzirá ao ponto em que possa apertar a mão do catolicismo” (Review and Herald, 1 de junho de 1886).

“Os protestantes lançarão toda a sua influência e poder ao lado do papado” (Maranata, Meditações Matinais 1977, p. 179).

Emerson Freire

Read Full Post »

Read Full Post »

Embora tenha havido polêmica durante a visita do papa Bento 16 a Israel e aos territórios palestinos, representantes do Vaticano, de Israel e da Autoridade Palestina disseram à BBC Brasil que a passagem do pontífice pela região foi “histórica e bem-sucedida”.

O papa Bento 16 termina nesta sexta-feira sua visita a Israel e aos territórios palestinos, definida pelo Vaticano como “peregrinação pela paz”, com uma visita à Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, onde segundo a tradição cristã, Jesus foi crucificado e sepultado.

Durante os últimos cinco dias, o papa visitou Jerusalém, Nazaré e a cidade de Belém, e se encontrou com líderes políticos israelenses e palestinos.

O pontífice esteve nos principais lugares sagrados para as três religiões monoteístas e realizou três missas a céu aberto, com participação de dezenas de milhares de pessoas.

De acordo com o porta-voz do Vaticano em Jerusalém, Wadi Abu Nassar, “a visita foi muito bem-sucedida”.

Nassar destacou que a visita trouxe “muita alegria aos cristãos da região e lhes deu esperança”.

“A visita de Sua Santidade a esta região contribuiu para as relações tanto com os israelenses como com os palestinos e esperamos dar continuidade à aproximação com todos”, disse Nassar.

Incidentes

O porta-voz do Vaticano não mencionou, em sua declaração à BBC Brasil, alguns incidentes que ocorreram durante a visita e que causaram desconforto no Vaticano.

O principal incidente ocorreu depois da visita de Bento 16 ao Memorial do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém. O discurso do papa durante aquela visita foi recebido com duras críticas por parte do próprio Yad Vashem, de líderes políticos e religiosos e também por parte da imprensa local.

O papa foi acusado de omitir, em seu discurso no Yad Vashem, a responsabilidade dos nazistas pelo extermínio de seis milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial e também de “não ter pedido desculpas”.

O Vaticano reagiu com uma nota incisiva, afirmando que “Sua Santidade não é obrigado a pedir desculpas por algo que não fez e que havia mencionado os seis milhões de judeus exterminados no Holocausto no momento de sua chegada a Israel, já no aeroporto Ben Gurion”.

No entanto, o governo israelense não compartilhou da opinião do Yad Vashem e afirmou que o museu “falou em seu próprio nome”.

Ao resumir a visita do papa, o porta-voz do ministério das Relações Exteriores de Israel, Yossi Levy, disse à BBC Brasil que “apesar dos momentos delicados que ocorreram nesta visita, o governo israelense a considera um dos eventos mais importantes da história do país”.

De acordo com Levy, a visita foi “especial e muito bem-sucedida”.

“Temos certeza de que, nesta visita, o diálogo entre Israel e o Vaticano avançou de maneira significativa”, disse. “Este foi um encontro histórico com contribuições politicas, culturais e religiosas da maior importância.”

João Paulo 2º

Embora o sentimento popular aqui em Israel seja de que a visita do papa João Paulo 2º, em 2000, teria sido “melhor e mais simpática”, do que a visita de Bento 16, considerada “fria”, analistas dizem que do ponto de vista do conteúdo, o atual pontífice fez pronunciamentos que indicam uma maior aproximação com Israel do que seu antecessor.

Em artigo no jornal Haaretz, o analista Lior Kudner comparou os discursos feitos pelos dois pontífices.

Segundo Kudner, em sua visita no ano 2000, João Paulo 2º afirmou que “devemos, sempre e em todos os lugares, agir na direção de expor a verdadeira face dos judeus e do Judaísmo, assim como dos cristãos e do Cristianismo”.

Já o papa Bento 16, de acordo com Kudner, foi bem mais “direto” e disse que “a Igreja tem um total compromisso com a reconciliação entre cristãos e judeus”.

Para o governador do distrito de Belém, Salah Ta’mari, a visita foi um “sucesso absoluto”.

“A Autoridade Palestina está muito satisfeita com a visita do pontífice a Belém”, disse à BBC Brasil o governador, que faz parte da Autoridade.

“Apesar de nossas preocupações com questões de segurança, tudo transcorreu na mais perfeita ordem, harmonia, e devo mencionar principalmente a alegria que todos sentiram, principalmente o próprio papa”.

“Percebi que ele se sentiu seguro em nossa cidade pois percorreu Belém, durante toda a visita, com as janelas de seu carro abertas”.

“Também percebi que ele gostou muito quando as crianças do campo de refugiados de Aida iniciaram a dança da debka (dança tradicional palestina) com um trecho da Quinta Sinfonia de Beethoven, sei que ele é pianista”.

“Bento 16 foi honesto e justo, ele expressou solidariedade com os refugiados palestinos, condenou o Muro de Separação e defendeu a criação de um Estado Palestino independente”, concluiu Ta’mari.

Fonte – BBC
– 15 de maio de 2009

Nota Diário da Profecia: Outras manifestações correlatas em “Papa canta ode pela paz com rabino e imã“, “BXVI no Oriente Médio 2“, “Bento 16 no Oriente Médio ” e “Cristãos, islâmicos, judeus e o diálogo“. Sem dúvida, no balanço, outra incursão vitoriosa no processo de restauração da ferida.

Comentário: É possível perceber pela notícia que o trabalho de unificação das igrejas não se restringe apenas ao mundo protestante. Os diálogos ecumênicos entre a Igreja Católica e as cumunidades judaicas e islâmicas são velhos. Hoje vemos que os laços estão se tornando cada vez mais fortes e a supremacia papal receberá apoio não só de protestantes mas de outros seguimentos religiosos também. É preciso lembrar do símbolo de Babilônia expresso em Apocalipse 17. Lá é dito que ela tem suas filhas, o que podemos entender pelas denominações que seguem ou seguirão os estatutos romanos. Mas é preciso lembrar também que Babilônia era um império que transformava os reinos que conquistava em provincias. O que assistimos agora é esse trabalho de conquista de territórios. Babilônia antiga, após tomar uma nação, embora lhe conferisse certa autonomia, intrometia-se em sua cultura impondo costumes e mesclando sua religião com a do conquistado. Isso feria a identidade da nação, como podemos ver na própria história do povo de Israel. A Babilônia de hoje procura fazer o mesmo, só o método é que é diferente, em vez da força usa-se o diálogo inter-religioso.

Se você leitor quizer conhecer melhor os eventos futuros, recomendo que leia o livro O Grande Conflito. Você pode adquiri-lo pelo site da Casa Publicadora ou ler em seu navegador acessando o site www.ograndeconflito.com.br.

Read Full Post »

O teólogo protestante Reinhard Frieling defende que o papa Bento XVI seja nomeado líder honorário de todos os cristãos. A proposta surge poucas semanas antes da visita do líder católico a Alemanha.

“O sonho da comunhão de todos os cristãos pode se tornar realidade se os protestantes oferecerem ao papa o papel de chefe honorário da cristandade”, disse o ex-líder do Institute Kundlichen, de Bensheim.

Para o professor emérito da Universidade de Marburg, o papa poderia “falar em nome da cristandade em situações extraordinárias”. Ele argumentou que uma liderança comum daria crédito ao cristianismo como mensagem.

Se a proposta se viabilizar, o aniversário da Reforma em 2017, com seus 500 anos, poderá ser a ocasião certa para concretizar a visão, baseada em sua opinião do papa já ser “porta-voz para todos os cristãos.”

O teólogo protestante sugere que as igrejas da Reforma abandonem sua “auto-suficiência” e assumam as “corajosas consequências ecumênicas”.

Essa proposta lembra a que foi feita pelo bispo Johannes Friedrich, da Igreja Luterana da Baviera, há dez anos. Friedrich argumentava que o papa poderia ser aceito como porta-voz do cristianismo mundial como serviço ecumênico de unidade.

A visita do papa a Alemanha está prevista para os dias 22 a 25 de setembro, e inclui as cidades de Freiburg e Berlim, com um discurso diante do Bundestag (Parlamento) alemão, e uma reunião com representantes da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) no mosteiro agostiniano em Erfurt.

Fonte – Gospel Mai

Comentário: Alguém ainda tem dúvida de que estamos prestes a assistir o desfecho do que se encontra em Apocalipse 13? A idéia de um líder supremo para todas as comunidades religiosas parece impossível, mas a profecia diz que ela acontecerá. Babilônia tem suas filhas, e elas seguirão a mãe. Não dermora muito e a humanidade será obrigada a escolher a quem servir. Aproveitemos o tempo de liberdade que ainda desfrutamos para levar a Tríplice Mensagem Angélica a todos aqueles que ainda não conhecem. Precisamos acordar.

Read Full Post »

« Newer Posts - Older Posts »